As Escolhas do MV (XVI)

mvalente Uncategorized 4 Comments

Nas últimas 2 semanas não houve escolhas por razões mais ou menos óbvias: não sei se repararam mas numa 6a foi a passagem de Ano e na outra estive ocupado. Esta 6a feira também tive de sair e por isso estas escolhas já vêm um bocado atrasadas: não são no formato habitual, mas são as minhas escolhas de 2009; os links da minha lista de links que são os pontos relevantes de 2009.

Assim, 2009 foi o ano em que:

  • o uso de Javascript no servidor atingiu massa critica e começou a ganhar forma. Sabe bem confirmar o que tinha previsto e fazer parte da “revolução”.
  • depois de usar o Twitter durante 2 anos (desde Março de 2007; sim já existia Twitter…), me fartei da conversa de putas de esquina e me pus a andar. Agora apenas o uso para publicar mensagens de status (o objectivo original), da mesma forma que uso o Facebook/MySpace/Hi5/LinkedIn/etc, sem participar no concurso de “colecção de cromos” nem lhe dando uso para conversas do chacha, piores que o IRC (mIRC para os nabos).
  • completei um (1) ano como desempregado (ou, melhor dizendo, “desocupado”, que quem é gerente de empresa ou administrador público não tem cá direito a subsídio de desemprego) e, não conseguindo arranjar um tacho decente (cheira-me que não devo ter arranjado muitos amigos), fui obrigado a criar o meu próprio emprego.
  • fiz o primeiro Kickstart (versão zero, por assim dizer), de conteúdos mais teóricos que o Kickstart 1H10 (vertente mais prática), e que me lancei numa nova aventura. O Kickstart “microMBA” deverá ter outra edição em Abril deste ano, caso haja suficientes interessados.
  • voltei a poder meter as mãos na massa em algumas “actividades antigas“, depois de 3 anos de exclusividade dados à Nação. Nada de conclusões rápidas e más ideias. Viram o título? Agora eu estou do lado dos “bons” (“Who? Me? Oh well…“)
  • me tornei “mestre“. Eu já sabia que era (there are lotsa ninjas but I am shogun), mas a confirmação académica dá sempre jeito.
  • decidi qual ia ser o meu próximo telemóvel e depois voltei atrás e me decidi antes por outro (é igual ao GooglePhone NexusOne, mas para melhor e para homens, ie. tem teclado).
  • reactivei o meu blog pessoal (este) em nova plataforma mas herdando os conteúdos do mv.asterisco.pt (cujo endereço continua a funcionar). A plataforma anterior era mais simples (bash scripting FTW), mas precisava de uma coisa melhor. Pode ser que um dia destes mude (PHP sucks) e faça uma toda baseada em Javascript. Ou que alguém a faça para eu usar.
  • redescobri os biscoitos Paupério, esse ícone da minha infância. O que me faz lembrar que tenho de ir buscar mais uma caixas…
  • expandi o âmbito da minha carreira académica
  • a nova aventura se tornou concreta
  • desisti de vez dos Windows e dos Mac OSX e mudei de vez para Linux
  • o serverside Javascript se tornou ainda mais concreto, obrigando-me a rever os meus tempos de Faculdade a programar em Lisp e Scheme para relembrar o paradigma funcional e o que são fechos/closures. O “event based” e os “callbacks” continuam a ser uma forma esquisita de programar, mas acho que ainda vou a tempo de me habituar.
  • a organização regular do workshop Kickstart começou (Kickstart 1H10). O 2º workshop Kickstart (Kickstart 2H10) deverá realizar-se em Junho ou Julho deste ano.

E agora começa a aproximar-se a data do ano 42 da era MV. “God knows what happens next…

Comments 4

  1. osiris

    compraste o milestone sem contracto? lá fora? a q preço?

    ando a pensar em comprar um mas do pouco que vi algures nos intertubos alemães, era com contracto…

    se bem que a motorola tem uns quantos “filhos do milestone” na calha…oh well…

    1. Post
      Author
  2. Duarte Oliveira

    Bem vindo ao mundo do robot :) (tenho um hero)

    É uma plataforma porreira, mas acho que lhe falta dar-lhe uma componente mais “profissional”. A componente de PIM é muito fraca (neste aspecto o windows mobile está a milhas do android). Não se entende como é que um SO orientado para PDA/Telefone tem um calendário tão fraco e não inclui um todo list e uma componente de notes.

    Relativamente ao javascript server side, quais são as vantagens desta tecnologia relativamente a outras linguagens server side ? Por muito que pense no assunto não consigo encontrar vantegens no SSJS (e já tenho alguma experiência (12 anos) a desenvolver aplicações web em diversas tecnologias e plataformas).

    No entanto gostaria de saber a tua opinião sobre esta temática :).

    Um abraço

    1. MV

      >É uma plataforma porreira, mas acho que lhe falta dar-lhe
      >uma componente mais “profissional”. A componente de PIM
      >é muito fraca
      >

      Felizmente como é uma plataforma aberta existem dezenas de
      aplicações mais “profissionais” :-) Ou qq um pode criar uma…

      >Relativamente ao javascript server side, quais são as vantagens
      >desta tecnologia relativamente a outras linguagens server side ?
      >

      1 – Não ter de raciocinar em 3 linguagens (SQL, Python/PHP/Perl, Javascript)
      2 – Não ter de reescrever 2 vezes o mesmo código. Por exemplo, uma
      função de validação de um campo (nº Seg. Social, p.ex) não precisa
      de ser escrita 2x, pode correr tanto no servidor como no browser, escrita
      apenas uma vez.
      3 – Não é necessário andar a fazer marshalling/serialization dos dados do
      browser para linguagem do servidor e depois fazer o marshalling/serialize
      dos dados para SQL. Its JSON all the way down.
      4 – É possivel passar código do servidor para o browser para ser executado
      no mesmo, e é possivel passar código do browser para o servidor. Trivial
      decompor computações em map/reduce.
      5 – O modelo funcional do JS e o facto de ser event-based permite escrever
      com mais facilidade servidores/serviços que escalam mais facilmente que
      os servidores existentes.
      6 – Com o uso de WebSockets torna-se possivel usar 2-way AJAX, com o
      cliente a fazer pedidos ao servidor e o servidor a fazer pedidos ao browser
      ou entao a enviar dados em realtime sem o browser ter de estar repetidamente
      a fazer poll.
      7 – O modelo funcional presta-se mais à programação concorrente que é
      cada vez mais necessária devido aos servidores multiCPU/multiCORE e
      devido às farms de servidores. O Erlang ou o Haskell tb fazem isso mas
      tem uma sintaxe mais complicada (ie. mais uma linguagem para aprender)
      e tem uma base instalada mto menor: o Javascript é a linguagem com mais
      instalações no mundo inteiro.
      8 – O paradigma OO do JS (prototype based por oposição OO baseado em
      classes) é mais dificil de compreender mas é mais fácil de usar, e adaptasse
      mais ao tipo de aplicações desenvolvidas actualmente, com dados não
      estruturados, doc-based, acessiveis por REST e formatados em JSON.

      — MV

Comments are closed.