September, 2012


30
Sep 12

Reading About the Future

Following an exchange of tweets with some friends, here’s some books that will make you think about the future:

 

 

 


21
Sep 12

Artistas da Rádio, Cassete, TV e Disco

Vim aqui ao Parque das Nações e vi duas coisas, o Campus da Justiça e os escritórios da Datelka, que me fizeram lembrar uma história engraçada.

Regularmente aparecem artigos ou reportagens do tipo “julgamento tem de ser repetido porque as gravações falharam”.

Porque é que isto acontece? Porque os tribunais ainda usam as velhinhas cassetes audio. Lembram-se?

Pois bem: o Ministério da Justiça deve ser o último e único cliente desta moderna tecnologia. Para além dos problemas de aprovisionamento, ainda acaba por pagar um prémio no preço por causa da escassez do produto (o mercado é uma coisa lixada; se calhar uma idéia é o Estado  criar um Instituto para produzir cassettes audio).

Para além disso as cassettes, já de si pouco fiáveis, são reutilizadas e regravadas. Como quem fez muitas mixtapes saberá, não há cassette que aguente. Ao fim de X regravações a fita começa a deteriorar-se.

E pensais vós: “Porra, mas não era mais simples gravar digitalmente para MP3 ou coisa assim?”. Pois era. Mas não pode ser.

De acordo com os magistrados e juízes, a segurança das cassettes audio é muito maior. Podem ficar guardadas numa gavetinha ou num bolso. Essa coisa de digitalizar o audio e depois guardar em sistemas de gestão de conteudos em servidores centralizados num datacenter seguro é uma coisa do demo. Depois havia pessoas que ouviam as gravações e era uma chatice. É mais facil copiar as gravações das cassettes para CD e distribuir à malta.

A modernização tecnológica é uma maçada.


18
Sep 12

Despesas do Estado em Tempos de Crise

No Domingo passado fui fazer uma das habituais caminhadas com a Cristina. Um tipo passa os 40 e começa a ficar totalmente kitado e é preciso fazer algo para desenferrujar.

Ali perto do Marquês, e no seguimento das recentes obras e mudanças efectuadas no Marquês de Pombal, diz ela: “Não percebo que necessidade há de fazer este tipo de obras quando o País está em crise”

“Ah! eu explico!” – disse eu. E expliquei.

A maior parte das grandes obras que por aí se fazem contam com o guito vindo da União Europeia. E os tipos lá de Bruxelas não vão em cantigas: não pôem o dinheiro todo. Uma parte é a chamada comparticipação nacional e a outra parte a chamada comparticipação da UE. Por exemplo: fazer uma dessas obras custa 60 milhões de euro; a UE entra com 40 milhões e Portugal entra com 20 milhões. A UE só entra com os 40 milhões se Portugal entrar com os 20 milhões. Se Portugal pedir os 40 milhões e disser que põe os 20 milhões e depois não os puser, não só tem de devolver o dinheiro como paga multas.

Já estão a ver não é: “oh pá! temos de gastar os 20 milhões em alguma coisa, senão temos de devolver os 40 da UE e levamos com a chibatada das multas”. E depois toca de inventar coisas onde gastar 20 milhões. Às vezes que nem são estritamente necessárias para o projecto em causa. O que interessa é não perder o guito.

Normalmente no fim do ano é uma lufa lufa a esgotar as dotações (as quantias orçamentadas). Também é uma lufa lufa a esgotar as dotações do Orçamento de Estado: se se gastar menos do que o orçamentado, o orçamento para o ano a seguir não pode ser maior do que o que foi gasto. Um gestor público não tem por isso qualquer incentivo a poupar dinheiro. Mas isso é uma história que fica para outro dia.