2010


5
Aug 10

Speaking of 1983…

In 1983, besides Whitesnake, I also went to see KISS playing at Pavilhão de Cascais. It was their first concert in Portugal (and the only one) and the first time in the world that they played without makeup. That really pissed me off…

… so much so, that someone had to do something about it.

Just in case you didnt notice this video’s highlight at 3:33, here’s a snapshot (click for video):

kiss cascais creatures of the night snapshot

Yes, that is me, aged 15 and in full face Gene Simmons makeup. On the Internet everyone knows you’re a dog.


29
Jul 10

Uso Isto…

Diz por aí que uso isto

MV setup


21
Jul 10

me na Economico.TV

mvalente na Economico.TV

Na 2a feira passada estive na Economico.TV para falar um pouco sobre a SeedCapital e as empresas em que investiu. Correu bem mesmo tendo em conta que acordar às 6.30 da matina não é definitivamente a minha praia. Especialmente à 2a feira. Mas é a vida… Fica aqui o vídeo para a posteridade.


6
Jun 10

As Escolhas do MV (XXVIII)

Vamos lá a isto:
  • já há uns tempos que não me divertia tanto com um jogo. O Abduction para qualquer telemóvel ou dispositivo Android (não há para telemóveis gayzolas), tem-me divertido imenso. Faz-me lembrar o Bugaboo, um jogo do Spectrum que era um dos meus favoritos. Aliás, não sei porquê tenho um gosto especial por jogos em que o objectivo é partir de um ponto no “chão” e ir subindo no écran em scroll vertical (Sir Fred and Rainbow Islands FTW).
  • para os empreendedores esta semana fica uma sugestão sobre a qual não vou elaborar muito, apenas vou citar uma parte: “Pretty much every startup you’ll ever meet will say it is better than its competitors. However you want to measure it—speed, technology, revenue model, whatever—a young company will say it outperforms others in its class. What’s more, it’s smaller and nimbler than the big companies, so it will be able to innovate faster and stay ahead of the curve. Just one problem: That’s exactly why it will fail.” (How to Predict Whether a Startup Will Succeed or Fail: Testing the “Disruptive Innovation” Model)
  • acho que já referi por aqui que uma das minhas bandas favoritas são os Saga. Estes artistas têm uma colecção de álbums fantásticos. Em alguns aparecem umas músicas que têm como subtítulo “Chapter __”. É suposto serem os vários capítulos de uma história, mas que nunca foram passados a CD nessa forma (com excepção de uma versão ao vivo); os vários capítulos aparecem de forma salteada em vários álbums. Vale a pena ouvir os Saga Chapters de uma penada.
  • no que diz respeito a livros os últimos tempos foram dedicados a lamber todos os livros do Mickey Spillane publicados pela Vampiro, conforme referi da última vez. Arranquei a ler o “The World’s Religions” mas pelo andar da carruagem vai demorar a acabar.
  • Friedrich Hayek é considerado um dos maiores economistas e filósofo político do séc. XX. Em 1974 foi-lhe atribuido o Prémio Nobel da Economia. Tendo começado por ter um pensamento socialista, analisou a fundo as consequências desse pensamento e acabou por concluir que o socialismo era impossível e até perigoso. No seu livro “The Road to Serfdom” inclui um capítulo cujo título é “The Socialist Roots of Nazism”, o que é esclarecedor. Vale a pena ver o professor Hayek a expor os seus argumentos contra a impossibilidade de uma sociedade socialista (tem legendas em inglês e pode ser selecionada a opção para traduzir para Português). Não resisto a citar parte de um dos seus livros: “Democratic socialism, the great utopia of the last few generations, is unachievable. It produces something so utterly different that few of those who wish it would be prepared to accept the consequences.   Many will not believe until the connection has been laid bare in all its aspects”. Para os cães raivosos do costume: não, não ser democrata e não ser socialista não implica ser fascista. Muito pelo contrário. Como o professor Hayek argumenta no “The Road to Serfdom”, é nos sistemas socialistas que é inevitável a chegada a um sistema autoritário. Numa sociedade capitalista ninguém tem ou teria um poder tão grande quanto um Governo socialista. Um Estado que tudo dá é um Estado que tudo pode tirar. Normalmente através do aumento de impostos, “pedidos” aos cidadãos a coberto de um monopólio da força e das armas.

E pronto, tá feito.


28
May 10

As Árvores Também Se Abatem

(a pedido de várias famílias…)

A floresta laurisilva é provavelmente uma das maiores riquezas que Portugal tem. É considerada pela UNESCO como património da Humanidade e é considerada como o expoente máximo da biodiversidade.

A biodiversidade é, a vários níveis, uma coisa boa. No mundo das árvores representa aquilo que para nós os humanos entendemos como direito à diferença, tolerância, multiculturalismo, intercâmbio de ideias, riqueza de opiniões.

Curiosamente, no mundo das árvores, há elementos que combatem a biodiversidade: seja porque monopolizam todos os recursos existentes, devido ao seu tamanho, ou porque os monopolizam devido a um ataque concertado de clones, impedem o crescimento de outras espécies e por esse caminho eliminam a concorrência. São as versões vegetais dos autoritarismos de direita e de esquerda: ou manda um e mais ninguém, típico das ditaduras e das monarquias, ou então mandam todos desde que sejam todos iguais, reduzidos à mediania de simples clones, típico dos regimes comunistas.

A sã concorrência e a biodiversidade, no mundo das empresas e dos negócios, também é uma coisa boa. Desde o conceito de “creative destruction” de Schumpeter até estudos mais recentes, tem sido provado que existe uma forte relação entre a existência de um ambiente competitivo e a existência de um ambiente capaz de inovação.

Tudo isto vem a propósito da possibilidade de uma OPA hostil da Telefonica sobre a Portugal Telecom.

Muita gente sabe, mas para que fique claro, não gosto da PT. Nunca iria trabalhar para a PT, nem que me dessem o cargo do Zeinal Bava e me duplicassem o salário (nem ia para a M$ mesmo que me pagassem o dobro do Steve Ballmer). Tive oportunidade directa de ver o tipo de práticas concorrenciais da PT (e da M$) e da falta de ética das mesmas (há-de haver pessoas na Telepac que se lembrarão do caso Bertrand e do caso BFE). Mas eu gostar ou não, não vem ao caso.

É que, para além das guerras concorrenciais entre as empresas, há valores mais altos que se levantam. E a minha opinião, desde há muito tempo, é que a PT e a sua protecção por parte de sucessivos Governos, numa lógica de supostamente ser uma coisa estratégica para Portugal e de “uma PT grande e com escala“, tem sido um obstáculo à concorrência e à inovação em Portugal, e portanto um obstáculo à sua competitividade. A OPA demonstra isso mesmo: a PT vale mais do que a sua capitalização bolsista e portanto há alguem que não está a fazer direito o seu trabalho e que está a prejudicar os accionistas.

Que me desculpem algumas pessoas e alguns amigos que trabalham na PT, mas no geral a PT é um 2-em-1: é uma árvore enorme que seca os recursos à sua volta, ajudada por um exército de trabalhadores que são eucaliptos clonados. E se não são, tornam-se, são absorvidos pelo culto da mediania. A árvore grande e os eucaliptos não gostam de quem é diferente, de quem abana o barco. Não lhes dá jeito.

A compra da PT por parte da Telefónica pode alterar este panorama? Pode ajudar a tornar o país mais competitivo, mais inovador e mais atractivo para a criação de startups? Não. No curto prazo, não.

No curto prazo, é uma árvore maior. Que vai secar ainda mais recursos à sua volta. Que vai abrigar à sua sombra um grupo ainda maior de clones. Só que desta vez a normalização e a clonagem vai obrigar a que todos tenham de falar Espanhol. No curto prazo, por muito que doa prestar vassalagem a um qualquer nuestro hermano, os clones vão-se deixar ficar. E mesmo aqueles que não eram clones, que foram absorvidos, mas que têm aspirações a deixar de o ser, mesmo esses vão-se deixar ficar. No curto prazo.

No longo e no médio prazo o cenário pode ser diferente. Por várias razões. Numa primeira fase vão haver aqueles que se recusam a prestar vassalagem aos novos evil overlords. E que vão sair. Sabem que têm as capacidades para fazer melhor, mesmo que isso implique menos segurança salarial. Numa segunda fase, depois da inevitável reestruturação, vão sair aqueles que vão ficar lixados porque estavam à espera de subir na hierarquia, de cheirar mais de perto os perfumes do último andar onde pára o elevador, mas que na realidade são ultrapassados por um qualquer camarada do país ao lado, catapultado de lá equipado com um páraquedas, e passam a ter de cheirar outras coisas. Alguns desses irão procurar outros sitios com elevadores, outros resolverão fazer alguma coisa de jeito. Finalmente, numa terceira fase, haverá aqueles que não sairam antes, que se deixaram ficar à espera tempo demais, e que, na sequência da reestruturação, são recursos dispensáveis, a bem do aumento da eficiência e da eliminação de competências duplicadas. E são postos na rua, adeus e um queijo.

E aí sim, pode haver um contributo positivo para um ambiente de empreendedorismo e de inovação.

Lá fora, apesar da crise (ou se calhar por causa dela), a actividade em termos de empreendedorismo aumentou durante 2009. Diz-se que a necessidade é a mãe de todas invenções. As necessidades consequentes de um despedimento podem levar muita gente a apostar directamente no seu valor. Ou, se não for o caso disso, o despedimento vai lançar no mercado uma série de pessoas que com certeza darão melhores contributos numa empresa mais pequena, onde podem ser diferentes, onde a diferença é um factor que conta.

Se o Estado e o Governo Português querem contribuir para um país mais competitivo, para termos cidades mais atractivas e mais empreendedoras, o melhor que faz é deixar o mercado actuar. É não proteger a PT, como protegeu no fim dos anos 90, adiando a liberalização do mercado, o que custou a Portugal uns anos de atraso no desenvolvimento e implantação da Internet. Quem não se lembra do Eng Guterres em frente a um papel com um “@” a fazer caras inteligentes? Ou da tomada de assalto do domínio PT, só porque uns políticos queriam ter um gov.pt para serem como o Bill Clinton e estavam-se a marimbar para as regras da IETF.

Contas feitas e concluindo: a Telefonica pode ser uma espécie de um Ent tolkienesco, que absorve o bonsai PT e fica com uma colecção de eucaliptos à viver à sua volta.

Ao lado, pode florescer uma floresta laurisilva, pujante de variedade.

As árvores também se abatem.